Fragmento do glossário do livro The Mysteries of the Eternal Feminine (Mistérios do Feminino Eterno)

O ser humano pode aproximar-se e estabelecer uma comunhão espiritual profunda com  DEUS PAI em qualquer momento, através de qualquer tipo de actividade benéfica, independentemente da sua natureza, se o ser humano consagrar essa específica acção (que é fundamentalmente boa), assim como os seus frutos a DEUS, PAI. Para fazer uma CONSAGRAÇÃO a DEUS PAI, primeiro é necessário que o ser humano tenha um intenso estado interior de abertura espiritual e humildade. Esta atitude espiritual é de facto uma chave fundamental em qualquer espécie de prática espiritual interior.

No momento de oferecer o fruto de certa acção a DEUS, quando DEUS recebe este oferecimento, que será frutificado posteriormente pela acção, basicamente esta acção não é mais executada pelo ser humano, porque o verdadeiro autor é então o próprio DEUS, a quem o ser humano que fez a consagração, oferecendo-lhe inteira e incondicionalmente qualquer espécie de resultados. Quando um ser humano consagra a DEUS e quando a CONSAGRAÇÃO dos frutos daquela acção é recebida por DEUS PAI, aquele ser humano é guiado, inspirado e directamente apoiado por DEUS PAI. Neste caso, o ser humano abre-se em direcção à eternidade e à infinidade de DEUS e logo é capaz de experimentar, até certo ponto, um estado profundo da comunhão espiritual com DEUS.

Por isso, praticando em quase todos os momentos a CONSAGRAÇÃO dos frutos das nossas acções a DEUS e depois aspirando sentir tão clara quanto possível a resposta interior afirmativa, manifestada na forma de um estado da comunhão íntima e misteriosa com a entidade infinita de DEUS, cada um de nós pode experimentar, no momento presente, o estado da imortalidade espiritual. Neste ponto, o ser humano é capaz de experimentar o abraço inefável de DEUS e ao mesmo tempo é capaz de abrir-se em torno de DEUS O PAI e abraça- Lo amorosamente no seu universo interior que está agora dilatado e compreendido na sua dimensão infinita de MACROCOSMO.

Este é um aspecto espiritual essencial, que se não nos esquecermos e se aspirarmos a realizar as nossas acções importantes durante um dia com esta atitude espiritual exemplar ou, em outras palavras, oferecendo os frutos de todas as nossas ações estamos a realiza-las para DEUS e teremos a possibilidade de sentir que no nosso ser se introduz então um estado da comunhão inefável com o ser eterno, DEUS.

Naquele momento ficamos testemunhas do estado de imortalidade espiritual, o estado do eterno que DEUS directamente nos transfunde, imediatamente após fazermos a CONSAGRAÇÃO quando Ele aceita que façamos aquela certa acção. Neste caso, depois de realizarmos a CONSAGRAÇÃO podemos sentir que DEUS se manifesta através de nós e deste modo podemos senti-lo diretamente no nosso próprio ser, a Sua inspiração, força, graça, poder e, o mais importante é que, seremos então absolvidos dos efeitos daquela ação, que caso não tivéssemos feito a CONSAGRAÇÃO nos seriam devolvidos depois

Para melhor compreender a consagração, precisamos desenvolver um estado de total sinceridade dentro de nós, porque só quando nós não temos nenhuma hipocrisia e nada a esconder, podemos realmente perceber a verdadeira resposta que vem de Deus. É importante percebermos que a honestidade é uma condição básica, não é algo que devemos apresentar por fora, isso seria inútil.

Na verdade, essa honestidade se refere à atitude interior, quando não temos nada em nosso coração para esconder de Deus. É uma atitude interior, que é frequentemente chamada de honestidade com nós próprios. De facto, é a nossa própria honestidade, que é entendida como uma presença viva no nosso próprio universo interior. E assim, tendo este estado, nós podemos dar a Deus a partir do nosso coração a acção que estamos prestes a realizar e desta forma estar directamente a pedir Sua orientação, direcção, para ter a resposta certa para o que estamos prestes a realizar ou não. Através da consagração nós apenas oferecemos de modo totalmente sincero com Deus como uma dádiva os frutos que resultam das nossas acções.