Pelo professor de Yoga Gregorian Bivolaru

Neste texto encontrarás: 

  • A Arte de Abençoar;
  • Condições para o seu sucesso e obstáculos;
  • Os Efeitos da benção;
  • Efeitos espirituais profundos;
  • Técnica da Arte de Abençoar;
  • Postura recomendada para a Arte de Abençoar;
  • Aspectos muito importantes; 
  • Fórmulas usadas na Arte de Abençoar;
  • Observações adicionais; 
  • Abençoar em uníssono como parte de um Grupo;
  • Abençoar-se a si próprio;
  • Correlação entre a Lei da Sincronicidade e a Arte de Abençoar; 

motivo_2

A Arte de Abençoar 

Arte de Abençoar permite que a Energia Suprema, que está para além da existência e da não-existência, seja derramada sobre uma pessoa. Esta energia deriva directamente da esfera Todo-Poderosa do Eterno Espírito Divino de Deus Pai. Não há nada no Universo igual ou acima desta energia. É omnipotente, ubíqua, eterna e tudo nos três mundos lhe está subordinado. A pessoa que a descobre por completo percebe que nada existe separado de Deus Pai. Esta energia conduz-nos à Realidade Única Eterna e revela a suprema verdade espiritual acerca da suprema manifestação do Eterno Espírito de Deus.

Mesmo que seja ténue no início, este fluxo de Energia Divina ajuda-nos gradualmente a transcender Maya (a ilusão que está na raiz de todo o prazer e sofrimento) e a ter uma vida pura, espiritual e benéfica. A Suprema Energia Divina ajuda a desapegarmo-nos de tudo o que nos acorrenta e a descobrir a sabedoria divina sem sermos afectados pelo remoinho da vida, levando-nos gradualmente à liberação final.

Esta energia ensina-nos que todo o ser é uma manifestação divina, levando-nos a experienciar mais intensa e frequentemente sentimentos de amor, compaixão, perdão, não-violência e altruísmo. Impulsiona-nos e sustém-nos para nos libertarmos irrevogavelmente do ciclo de reencarnação. Ajuda-nos a descobrir a natureza do nosso Verdadeiro Eu – o Supremo Self, Atman, que é uma centelha de Deus Pai. Além disso, pode despertar no nosso ser um amor infindável e incondicional, concedendo-nos assim uma extraordinária força interior. Talvez o aspecto mais importante para os principiantes seja que através da Arte de Abençoar qualquer pessoa pode directamente convencer-se a si própria, no íntimo do seu ser, de que Deus realmente existe.

Para um yogui empenhado numa prática espirital, mas também para qualquer outro ser humano que tenha abertura interior para a prática da Arte de Abençoar, verifica-se que, apesar de esta prática requerer um esforço interior maior do que outras, é no entanto mais eficiente. Faz-nos amar e ajudar os que estão infelizes através de acções desapegadas, porque através de todos os outros nós amamos Deus. O amor incondicional para com todas as formas de Deus vai gradualmente aumentar e, por fim, ajudar-nos a eliminar completamente o nosso ego; a presença de Deus torna-se mais e mais clara em nós, diminuindo deste modo as influências maléficas.

A Arte de Abençoar, praticada consistentemente, conduz à maturidade espiritual, que determina o momento em que conhecemos o nosso mestre espiritual (para aqueles que ainda não estão envolvidos num caminho espiritual autêntico). Este encontro tem lugar por meio do jogo divino da nossa própria necessidade. Os ensinamentos do guia espiritual vão ajustar-se às nossas necessidades e nós teremos a maturidade necessária para pôr estes ensinamentos em prática. 

Evidentemente, para cada um de nós, a Arte de Abençoar vai frequentemente desencadear momentos de sincronicidade. A sincronicidade é, na realidade, a expressão inefável da omnipresença de Deus.

Em conclusão, podemos dizer que a Arte de Abençoar é um caminho espiritual directo para Deus, total e sem artifícios. A Arte de Abençoar faz desaparecer qualquer traço de medo e dúvida e vai guiar-nos, mostrando-nos o caminho a seguir: entregarmo-nos à humanidade, estarmos em união com a humanidade, abrir completamente a nossa alma
e o nosso ser diante de Deus.

motivo_2Condições para o SUCESSO e OBSTÁCULOS

SUCESSO:

• Grande fé em Deus;

• Amor por Deus;

• Um claro e profundo entendimento dos processos divinos que se iniciam no momento da bênção;

• Um genuíno estado de humildade e abnegação;

• Despertar e manter o estado de criança (inocência e pureza); 

• Procurar o altruísmo e a diminuição do ego;

• A consciência profunda de que a realidade de Deus Pai é um Mistério completo e transcendente;

• Aceitação do facto de que Deus Pai está permanentemente em nós na qualidade do nosso Verdadeiro Eu (Self, Atman);

• A convicção firme de que quando temos o estado de criança e, cheios de humildade, pedimos a Deus algo que está de acordo com as leis divinas, Ele dar-nos-á o que Lhe pedimos;

• O esforço constante para ultrapassar o ego através de humildade e aspiração sincera por Deus Pai (a intensidade da comunhão com a Energia Suprema derramada em nós pelo Espírito Todo-poderoso de Deus é directamente proporcional à diminuição do nosso ego);

•  Cultivar a verdadeira bondade, o poder de perdoar totalmente;

• Purificarmos-nos interiormente para então estarmos preparados para uma rápida transformação espiritual.

O livre-arbítrio concedido ao ser humano é um presente divino que devemos saber usar. Através dele, somos livres de fazer o que queremos, mas devemos saber que nem tudo nos é permitido. Na Arte de Abençoar, ao implorar a Deus, o homem propõe e, num curto período de tempo, Deus dispõe. Quanto menor o ego, maior a intensidade da suprema energia divina que recebemos através de Sahasrara (o chakra da coroa) durante a bênção. A resposta divina que alguém pode receber enquanto pratica a Arte de Abençoar é uma forma de teste ao nosso egoísmo, na condição de sermos sinceros e não mentirmos a nós próprios.

OBSTÁCULOS:

• Falta de fé em Deus;

• Orgulho, arrogância e senso de auto-suficiência;

• Falta de amor, ódio;

• Lascividade, vício, prostituição, preguiça, fascínio pela luxúria;

• Ganância;

• Egoísmo;

• Avareza;

• Maldade, sadismo;

• Fúria, violência, crime;

• Cepticismo destrutivo;

• Emoções associadas a inveja, ciúme, mexericos, vingança;

• Preguiça, apatia, indolência.

Aquele que ainda não consegue praticar correctamente a Arte de Abençoar vai ter de perguntar-se sinceramente qual destes obstáculos está presente no seu caso e eliminar esse problema. É muito importante insistir uma e outra vez, pois a resposta de Deus, se o pedido foi feito com sinceridade e fé, não tardará em chegar. Nenhum obstáculo é permanente quando o homem busca aproximar-se de Deus.

motivo_2

Os efeitos da bênção

• Manifestação da Energia Divina através de nós. Isso liga-nos à eternidade, ao Todo-Poderoso, ao sagrado, ao êxtase divino, à liberdade espiritual, ao Reino do Pai, aos mistérios do jogo divino, ao amor puro e transcendente, à intuição espiritual da existência de Deus;

• Abertura ao estado de santidade;

• Crença em milagres;

• Entendimento dos mistérios da existência supremos, da essência viva, da mais elevada de todas as religiões: o “Deus-ismo”. A bênção é a manifestação do diálogo com Deus e da nossa necessidade de Deus: a nossa necessidade ardente de Deus é-Lhe muito agradável e representa o nosso primeiro passo em direcção a uma religião completa, sem intermediários;

• Abertura a uma vida espiritual plena;

• Sabedoria divina;

• Cura milagrosa;

• O despertar da alma;

• A revelação do Eu imortal (Self, Atman)  a centelha de Deus Pai;

• Amplificação de faculdades psíquicas benéficas;

• Amplificação do estado de êxtase, devido a experiências espirituais arrebatadoras que poderão ir até ao estado de beatitude (Samadhi);

• Atingir o estado de silêncio;

• Desenvolver a capacidade de levitação, de premonição, de lidar com hipertermia, de ser imune ao fogo;

• Indução de alguns estados benéficos nas pessoas perto de nós e a harmonização de energias nos objectos que nos rodeiam;

• Possibilidade de viajar no tempo e espaço e também nos mundos astrais superiores;

• Surgimento de poderes paranormais benéficos;

• Expansão do horizonte de conhecimento, da capacidade de usar faculdades psíquicas para perceber conceitos;

• Transformação em campos de força, isto é, qualquer acção de agressão não provocará respostas traumatizantes;

• Surgimento de certos estados espirituais elevados;

• Experiência de certos estados de deificação em meditação;

• Relaxamento, quietude da mente;

• Receptividade, ao nível de Prithivi, através do aparecimento de cheiros agradáveis (incenso, fragrâncias florais e exóticas) – o mesmo acontecendo ao nível de outros elementos;

• Aparecimento de certos estados místicos espontâneos;

• Intuições, premonições, êxtase;

• Surgimento de alguns estados de cura ao nível energético, desencadeando processos de recuperação do potencial bio-energético;

• Transformações alquímicas misteriosas até a nível físico;

• Ocorrência de sonhos lúcidos;

• Aceleração da evolução espiritual;

• Estados benéficos de transe;

• A possibilidade de aceleração dos processos de transmutação biológica do potencial sexual;

• Cura paranormal;

• Manifestação de inúmeros fenómenos de sincronicidade.

Todos estes efeitos manifestam-se para aquele que perseverantemente pratica a Arte de Abençoar, porque não nos devemos esquecer, nem por um instante, de que aquele que realiza a Arte de Abençoar para outros seres humanos é por sua vez abençoado, já que toda essa energia divina circula através do seu ser. Os efeitos também aparecem gradualmente nas pessoas que são abençoadas. Um outro efeito é a  harmonização (quantas vezes milagrosa) das relações interpessoais (com os seres que abençoamos).

motivo_2

Efeitos espirituais profundos

A pessoa que pratica a Arte de Abençoar:

1. Atinge gradualmente um nível de simplicidade e pureza como o de uma criança. Isto envolve a eliminação de tudo o que é inútil e sem significado na nossa vida; ganha-se por outro lado a riqueza de uma vida deificada;

2. Experiencia uma profunda alegria de viver, a amplificação da percepção do que está correcto e aprecia prazeres simples como ser capaz de desfrutar de um estado de relaxamento, uma flor, um sorriso e outros deleites;

3. Torna-se cheia de compaixão para com todos os seres, experiencia um estado de união com os outros, sem desespero, rancor, competição ou ódio. Torna-se um mensageiro de Deus para os outros;

4. Está cheia de compreensão e boa-vontade para com os outros. Percebe que não tem direito de impor nada a ninguém, já que todos são únicos. Isto cria uma misteriosa ligação com as pessoas, que é percebida através de empatia;

5. Purifica todas as suas intenções. Intuitivamente sente que todo o objectivo esconde dentro de si mesmo o objectivo real, no qual aquele se baseia. A dado ponto apercebe-se de que este facto não pode ser desmentido, já que estaria a enganar-se a si próprio. Assim consegue ter sucesso na mudança do seu destino, transcendendo o seu karma;

6. Torna-se um pessoa profundamente optimista que vê a vida de forma absolutamente transfigurada. Tem sempre recursos para apreciar e desenvolver a vida de modo proveitoso, estando cheia de confiança;

7. Torna-se uma força generosa capaz de dedicar-se a um ideal divino. É capaz de reconhecer melhor a Energia Divina, de forma a transmiti-la aos outros,
e desenvolve a sua capacidade de comunicar;

8. Torna-se completamente livre de preconceitos, concepções dogmáticas e rígidas. É capaz de conhecer-se melhor e ter grande consciência tanto da situações como das pessoas. Tem consciência de que qualquer mal causado a um ser é uma desobediência às leis de Deus que não passará despercebida;

9. Observa, percebe e respeita espontaneamente as leis da natureza, contempla tudo com atenção
e obedece a essas Leis Divinas;

10. Obtém um perfeito sentido de justiça. Como se pode explicar o instinto de justiça sem recorrer a Deus? Aquele que pratica a Arte de Abençoar ganha a intuição da Justiça Divina;

11.  Percebe todos os seres, especialmente do sexo oposto, de modo mais intuitivo. Por exemplo, quando alguém nos incomoda, devemos interiorizar-nos e relembrar esta sensação de um outro tempo, já que “Eu sou humano e nada do que é humano me é estranho”. Percebe que já experienciámos tudo;

12. Aprende gradualmente a aferir com correcção o nível espiritual de um ser humano:

a) Primeiro grupo: quer satisfazer os seus prazeres sensuais;

b) Segundo grupo: acredita na existência de uma misteriosa entidade superior;

c) Terceiro grupo: descobre que há uma forte ligação entre Deus e consciência;

d) Quarto grupo: procura entender como Deus Se manifesta;

e) Quinto grupo: atingiu uma sensibilidade espiritual refinada;

f) Sexto grupo: torna-se um elo de ligação entre Deus e a Criação.

Ao praticar a Arte de Abençoar todos os dias, podemos compreender muito melhor as pessoas. Assim tornar-se-á claro como podemos ajudá-las.

motivo_2

Técnica da Arte de Abençoar

Os passos para a técnica de abençoar são os seguintes:

• Focamos-nos internamente, tanto mental como espiritualmente;

• Dirigimos a nossa atenção, a nossa alma e as nossas emoções apenas para Deus Pai, pois esta disposição íntima é essencial;

• Focamos simultaneamente a nossa atenção ao nível de Anahata chakra (área no meio do peito) e Sahasrara (área no topo da cabeça). Sentimos um estado de elevação, uma emoção eufórica e única, de incontáveis matizes;

• Dizemos mentalmente a fórmula de abençoar, de modo a senti-la com todo o nosso ser;

• Levantamos a mão direita na posição indicada;

• Depois de dizer a fórmula e mantendo os olhos fechados, orientamos os olhos, que se cruzam ligeiramente, na direcção de Sahasrara;

• Quando a Energia Divina começar a fluir no nosso corpo, o foco relaxa e os olhos permanecem fechados;

• Tentamos ao mesmo tempo aperceber-nos do que está a acontecer em nós e através de nós;

• Apercebemo-nos de como o fluxo de Energia Divina penetra no topo da cabeça, descendo e inunda todo o nosso ser, fluindo posteriormente através do nosso braço direito para as pessoas que estamos a abençoar. Se estivermos a abençoar-nos a nós próprios (auto-benção), a energia permanece no interior;

• Prestando tanta atenção quanto possível aos 5 estados da manifestação da Energia Divina, nós tornamo-nos conscientes de:

a) Subida em crescendo;

b) Alcance de um clímax;

c) Diminuição gradual;

d) Finalização;

e) Efeitos globais.

• Após estes 5 estados estarem terminados, a mão relaxa e volta à posição normal;

• Se a pessoa que abençoamos não for merecedora, de acordo com a fórmula de abençoar, nada acontece e o fluxo de energia não se verifica;

• Os que não praticam Yoga devem focar-se nas áreas do peito e no topo da cabeça, tanto dentro como fora do corpo físico;

• No final, agradecemos a Deus (não é necessário dizer a oração de agradecimento após cada bênção, apenas no final).

Os efeitos que aparecem intensificam-se com o tempo. Eles são complexos, múltiplos e permanecem por dias, semanas, meses e anos, tanto em quem recebe a bênção como em quem abençoa. A energia que recebemos é infinita. Deus tem sempre energia para todas as pessoas. Assim, podemos fazer a bênção tão frequentemente quanto desejarmos.

A bênção é mais do que uma oração, porque numa oração podemos cometer erros, pedindo a Deus algumas coisas. Contudo, ao abençoar, Deus dá-nos exactamente o que precisamos (quando nos abençoamos a nós próprios) ou o que quem recebe a bênção precisa. A Arte de Abençoar implica o nosso livre-arbítrio. Apenas se pedirmos podemos receber, pois como é costume dizer-se “Deus pode dar alguma coisa, mas Ele não a coloca no nosso saco”.

Assim, casas, objectos, alimentos, situações, acções podem ser também abençoadas e, nesse caso, mudamos a fórmula de abençoar. A Energia do Espírito de Deus pode ser direccionada para qualquer coisa, porque a deificação pode aparecer em tudo. A bênção não necessita de ser precedida de consagração, porque se trata do Espírito de Deus que está tanto na manifestação em si mesma como fora dela e é, na verdade, uma acção realizada pelo próprio Deus. Através da Arte de Abençoar, nós activamos os centros energéticos invisíveis e ligamo-nos ao campo da sincronicidade.

motivo_2

Postura recomendada para abençoar

A posição recomendada é de pé (tanto para quem recebe a bênção como para quem abençoa), com a coluna direita, o braço direito levantado e tão relaxado quanto possível. A palma da mão direita está cerca de 20 cm afastada do ombro; os dedos estão abertos e ligeiramente curvados, como ao apanhar uma bola. Deve-se adoptar esta posição desde o início. Esta posição é recomendada para abençoar o ser humano que esteja próximo (sem lhe tocar) ou para abençoar um pequeno grupo de pessoas que esteja a uma pequena distância.

motivo_2

Aspectos muito importantes:

• Se a pessoa abençoada não está à sua frente, direccione a sua palma para cima, aproximando-a do ombro ou mesmo por cima do ombro direito;

• Para grupos de pessoas maiores (mais de 50) ou pessoas que estão longe de si, estique o braço em frente;

• Se estiver a abençoar-se a si próprio, os braços devem permanecer em baixo ao longo do corpo;

• Se o seu estado de vitalidade e força interior forem grandes o suficiente, pode tocar na testa da pessoa que está a abençoar com a sua mão direita, tendo os dedos abertos e apontando em direcção a Sahasrara (sem cobrir o topo da cabeça).

É muito importante que o braço direito e os dedos estejam descontraídos!

De um modo geral, é bom que tanto quem abençoa como quem recebe a bênção estejam de pé. Esta posição, que ressoa com um certo estado de respeito por Deus, é obrigatória para aquele que faz a bênção (ou se abençoa a si próprio). Claro que se pode abençoar alguém que não sabe que estamos a abençoá-lo naquele momento ou alguém que está muito doente. Pode também abençoar-se alguém que não saibamos onde está ou o que está a fazer. Nestas situações é óbvio que não se pode impor que a pessoa esteja de pé.

Se se quiser abençoar um ente querido que está muito longe, deve-se imaginá-lo e visualizar a sua cara. Se se trata de um grupo, visualizam-se as caras de cada membro do grupo. A distância entre nós e a outra pessoa ou grupo não interessa!

No nosso quotidiano não devemos hesitar em recorrer à Arte de Abençoar nas mais variadas situações, quando desejamos ajudar outro ser humano, quando sentimos compaixão por alguém em adversidade ou se queremos libertar a tensão de uma situação de conflito, etc. Nestas ocasiões especiais, quando necessitamos de utilizar a Arte de Abençoar mas não há privacidade, é suficiente direccionar discretamente a palma da mão em direcção ao ser que abençoamos. Seguimos todos os passos, incluindo a récita mental das fórmulas de abençoar mas, para evitar perturbar as pessoas em redor, fazemos isto de olhos abertos. Fechamos os nossos olhos apenas durante a fase inicial, quando temos de direccionar interiormente o nosso olhar para o topo da cabeça.

motivo_2

Fórmulas usadas na Arte de Abençoar

A FÓRMULA usada quando pedimos
uma bênção para UMA PESSOA 
(dita internamente):

“Oh Deus, Pai do Céu,
eu imploro-te cheio de humildade,
se este ser humano chamado …
(o nome de baptismo é dito)
merecer, abençoa-o/a agora, derramando sobre ele/a, através
de mim, a tua Graça Suprema.
Seja feita a Tua vontade, Ámen.”

A fórmula usada para abençoar
um GRUPO DE PESSOAS:
(dita internamente):

“Oh Deus, Pai do Céu,
eu imploro-te cheio de humildade,
se este grupo de seres humanos merecer, abençoa-os agora, derramando sobre eles, através
de mim, a tua Graça Suprema.
Seja feita a Tua vontade, Ámen.”

A fórmula usada quando pedimos
uma bênção PARA NÓS (homem):

“Oh Deus, Pai do Céu,
eu imploro-te cheio de humildade,
se este que te está a pedir agora, tendo o nome … (o nome de baptismo é dito) merecer,
abençoa-o agora, derramando sobre ele a tua Graça Suprema.
Seja feita a Tua vontade, Ámen.”

A fórmula usada quando pedimos
uma bênção PARA NÓS (mulher):

“Oh Deus, Pai do Céu,
eu imploro-te cheia de humildade,
se esta que te está a pedir agora, tendo o nome … (o nome de baptismo é dito) merecer,
abençoa-a agora, derramando sobre ela, a tua Graça Suprema.
Seja feita a Tua vontade, Ámen.”

Palavras de AGRADECIMENTO ditas no FINAL
(ou mesmo mais tarde):

“ Eu agradeço-Te, Pai do Céu, por fazeres
do meu ser o canal da tua Graça Suprema.”

Estas palavras devem ser aprendidas
de cór e depois usadas!

motivo_2

Observações adicionais

Através da Arte de Abençoar, pode dizer-se que conseguimos descobrir a verdadeira “opinião” de Deus sobre a pessoa que se abençoa. Assim, podemos corrigir quaisquer sentimentos estranhos que possamos ter em relação a uma pessoa. A energia que é manifestada todas as vezes que se pratica a Arte de Abençoar relaciona-se especificamente com a pessoa que se abençoa, o que mostra que Deus nos dá sempre aquilo de que precisamos. Esta energia tem um efeito purificador, tanto sobre a pessoa que realiza a bênção como sobre aquele que a recebe (até mesmo sobre o veículo através do qual é canalizada). Pode-se usar esta técnica espiritual em qualquer momento para pedir ajuda a Deus Pai, para nós ou para outras pessoas. Numa oração, ainda podemos cometer erros, pedindo a Deus certas coisas, mas numa bênção não se comete nenhum erro.

A Arte de Abençoar pode ser usada em todos os mundos, porque não é esquecida quando saímos do plano físico. Se se quer pedir ajuda a Deus Pai, pode-se praticar a Arte de Abençoar mesmo depois da nossa morte física, desde que não estejamos em mundos infernais onde não merecemos recebê-la. Tanto os vivos como os mortos (que estão noutro plano de existência) podem ser abençoados (exactamente como no caso de oração, sacrifício de luz, requiem, etc, que são feitos para eles).

A bênção pode também ser feita a favor de pessoas que deixaram o plano físico, mas a fórmula difere em função da pessoa estar ou não neste mundo. Se a pessoa deixou este mundo, a fórmula de abençoar torna-se “(…) se esta pessoa que teve o nome de…” (porque depois de deixar este mundo não se guarda a mesma identidade como no plano físico).

Em caso de  bênçãos repetidas para a mesma pessoa, realizadas em momentos diferentes no tempo, nota-se que os efeitos são diferentes de uma bênção para a outra. Assim podem notar-se as transformações produzidas na pessoa que se quer ajudar.

Não se deve ter preconceito acerca da resposta de Deus, uma vez que é indescritível e inimaginável. Devido à bênção, a relação entre a pessoa que abençoa e a que é abençoada ganha qualidade e intensidade aprofundadas. Aquele que pratica a bênção também é abençoado por sua vez, porque a energia suprema passa através do seu ser.

motivo_2

Abençoar em uníssono como parte de um Grupo

É recomendado realizar a Arte de Abençoar em grupo ou abençoar-se a si próprio em grupo, durante cerca de 7-10 minutos no início de cada encontro. Uma pessoa pode ser escolhida por sorteio consagrado e pede-se que fique de pé no meio do grupo. Todos devem dirigir a Suprema Energia Divina para essa pessoa. Esta técnica é similar a uma oração em grupo, mas mais poderosa.

Um grupo de 7-28 pessoas pode aplicar esta técnica a problemas grandes, de natureza espiritual. Devem expor o problema relativo às preocupações profundas do ser, com toda a sinceridade. Mobilização de todo o ser, desapego e rendição à Vontade Divina são necessários para resolver o problema. Um sorteio deve ser feito outra vez de forma a escolher a pessoa que será “o ouvido” e que receberá todas as revelações que se seguirão. O próximo passo é uma meditação para aumento da criatividade (isto é, projecções nos mundos astrais superiores, em Shambala, contacto com guias espirituais). Todos devem prestar atenção às revelações que receberem e comunicá-las aos outros ou então à pessoa com a função de “ouvido”. Todo o participante deve comprometer-se (por exemplo: eu vou praticar a Arte de Abençoar sete vezes por dia para que a divina inspiração me ofereça os elementos necessários para melhorar a minha criatividade, para me tornar uma força perfeita). Este compromisso deve ser reactivado todas as manhãs, de forma a acelerar a resolução do problema. A manifestação no plano físico tem leis precisas no que respeita à transformação de energia dum plano causal para um plano físico, isto é, deve ser acumulada energia suficiente. Se não se continua a reactivar esse compromisso, vai-se gradualmente cair no antigo nível onde o problema parecia insolúvel, devido a Tamas. Praticando a Arte de Abençoar diariamente, temos um diálogo com Deus no interior do nosso ser e ligamo-nos à Energia das Possibilidades Divinas. Assim sendo, os nossos desejos podem ser mais facilmente manifestados no domínio concreto. Ao aplicar a Arte de Abençoar tão intensamente quanto possível, obtém-se Inspiração Divina e o nosso campo mental torna-se ligado ao ponto invisível, apesar de poder não parecer. Nos encontros subsequentes tudo é relatado e são tiradas conclusões. O objectivo é que a nossa posição neste contexto se dê de maneira clara e divinamente integrada.

Partindo do nosso problema e praticando a Arte de Abençoar em grupo, tornamo-nos abertos à inspiração e à criatividade necessárias para resolvê-lo. Assim, tudo se torna mais claro e obtemos a coragem para realmente criar. Mesmo o exorcismo definitivo de uma pessoa possuída pode ser atingido pela prática da Arte de Abençoar em uníssono num grupo, combinada com jejum completo. Em caso de possessões menores, podem ser realizados exorcismos por apenas uma pessoa ou por quem se abençoa a si próprio diariamente.

A bênção é, em essência, uma misteriosa força divina derramada de cima para baixo: este é um sinal reconhecível. Este fluxo de Energia Espiritual Suprema manifesta-se no Homem na forma de uma graça, em resposta a uma oração feita a Deus Pai com com fé e humildade por um ser humano. Isto traz auxílio divino e orientação para ele/ela ou outra pessoa. Aquele que abençoa é também beneficiado, porque abre o seu ser para a Energia Suprema passar. Ele está de facto a abençoar-se a si próprio e, deste modo, a receber ajuda.

motivo_2

Abençoar-se a si próprio

No princípio, quando o ego é muito forte, é possível que não sejamos bem-sucedidos ao abençoarmo-nos a nós próprios. É então necessário abençoar os outros com humildade e fé tão frequentemente quanto possível. Só quando o desapego aparecer, por se oferecer desinteressadamente  ajuda aos outros através de bênçãos, podemos diminuir o ego e progredir espiritualmente. Depois das transformações necessárias terem ocorrido em nós, também seremos capazes de nos abençoarmos a nós próprios.

motivo_2

Correlação entre a Lei da Sincronicidade e a Arte de Abençoar

Por vezes, sentimo-nos inspirados (zonas de sincronicidade, harmonia, coincidências significativas), outras vezes não (zonas de turbulência). Em momentos de sincronicidade, tudo flui; pessoas, gestos e objectos aparecem exactamente no momento e lugar certos. Esta harmonia que parece vir do além pode de facto parecer um milagre, mesmo nas coisas mais pequenas.

• Encontros, telepatia – a chamada coincidência simples;

 Cascata, sucessão de coincidências (a um nível superior). Por exemplo, uma pessoa está a passar numa cabine telefónica, o telefone toca, a pessoa atende e a chamada era para ela e a pessoa que fez a chamada marcou este número por engano em vez do número de casa!

Para muitos, estes são apenas extraordinários acasos da sorte, meras “coincidências” ou “milagres”. Na verdade, eles ilustram uma profunda ressonância com as misteriosas forças de Deus. É apenas o nosso ego que nos impede de estar num estado de sincronicidade a todo o momento.

A sincronicidade consiste em coincidências significativas que não estão relacionadas através de causa evidente. Um evento é sincrónico quando uma experiência interior (por exemplo, um sonho) nos prepara para um evento que ocorre mais tarde no mundo exterior. Desejando algo ardentemente, nós criamos o que desejamos noutro plano (às vezes inconscientemente) e podemos obter efeitos surpreendentes. Por exemplo, o intelecto tem muito pouco a ver com descobertas brilhantes: ao invés, é a intuição que aparece e a solução vem sem sabermos como, como Albert Einstein confessou. O termo sincronicidade (syn = com, mesmo, e chronos = tempo) foi escolhido por Jung para significar o simultâneo aparecimento de ligações entre elementos, através de significados sem uma causa única. A Ciência não compreende bem estes fenómenos e a mente racional nega-os. O que os liga pode ser apenas entendido no seio do Universo misterioso, atemporal e causal, que traz Iluminação espontânea.

Técnicas de predição são baseadas em sincronicidade – não há relação aparente entre os sinais e o seu significado. Predições são uma forma de sincronicidade. A Lei da Sincronicidade e a Lei de Causa e Efeito são complementares.

A Lei do Karma é a lei das ligações e a Lei da Sincronicidade é a lei dos milagres. Perceber estas leis fundamentais conduz a saltos de evolução espiritual. A sincronicidade liga o mundo material ao mundo psíquico através de símbolos que nem sempre são percebidos e que provêm do inconsciente colectivo.

Quando uma pessoa é espiritualmente elevada e sábia, ela beneficia de graus de liberdade adicionais, uma vez que a sua vida já não está condicionada pelos padrões usuais. A Lei da Sincronicidade oferece-lhe poder e, graças à sua criatividade, qualquer coisa é possível (mas nem tudo é permitido). Esta “liberdade” de um sábio manifesta-se de diversas formas. Por exemplo, junto de um mestre espiritual, um discípulo evoluído pode ser confrontado com sincronicidades inexplicáveis.

Podem abençoar-se casas, lugares, objectos, comida e situações. A energia do Espírito de Deus pode ser direccionada para qualquer coisa; a divinização pode aparecer em tudo.

A bênção não tem de ser precedida de consagração, já que se trata do Espírito de Deus que existe tanto na manifestação em si como fora dela. Através da Arte de Abençoar activamos forças subtis invisíveis e ligamo-nos ao campo da sincronicidade.